sábado, 23 de janeiro de 2010

SONHO

Música: Alfredo António Augusto da Glória Correia (?-2009)
Letra: Alfredo António Augusto da Glória Correia (?-2009)
Incipit: Quando a noite descer suavemente
Origem: Coimbra
Data: 1980

Quando a noite descer suavemente,
Quando o sono meus olhos fechar,
Eu quero adormecer serenamente
Para poder sonhar. (bis)

Sonhar que tenho livre a minha alma
De remorsos, de penas, sem ter fim,
Que é minha toda a paz da noite calma,
Eu sou o dono de mim. (bis)

Quando o sono profundo me tomar,
Sonhando em minha mão o etéreo Céu,
Que importa então o despertar
Se o mundo já morreu. (bis)

Os versos de cada estrofe cantam-se seguidos, excepto o 4.º que é bisado, funcionando como uma espécide de falso refrão.

Informação complementar:

Composição musical estrófica em compasso quaternário (4/4) e tom de Ré menor, própria para repertório de tenor solista.
Natural da cidade do Porto, onde concluiu o Liceu D. Manuel II, Afredo Correia formou-se na Faculdade de Direito da UC na década de 1950. Enquanto estudante, foi sócio do Orfeon Académico regido pelo Maestro Manuel Raposo Marques. Alfredo Correia só viria a afirmar-se como intérprete da Canção de Coimbra após 1974, no rescaldo da profunda crise ideológico-estética que operou a captura e danação da memória do legado histórico. Assim é que em 1975 se junta a alguns antigos cultores que iam aparecendo na sede da extinta Académica/Equipa de Futebol da AAC, aos Arcos do Jardim, e inicia um meritório trabalho de ensaios e performances em espaços públicos e privados. Primeiramente foi acompanhado por Jorge Gomes/António Brojo (gg) e Manuel Dourado (v), juntando-se-lhes Aurélio Reis (v) e José Mesquita (voz). Com intensa actividade em palcos, RDP e RTP, a formação referida preparou e realizou em 1979 a gravação de dois ELPs, com vocalização de José Mesquita.
Após o 1.º Seminário do Fado de Coimbra (1978), os antigos membros da Tertúlia do Calhabé projectaram retomar a formação da primeira metade da década de 1950, com António Brojo/António Portugal (gg) e Aurélio Reis/Mário Castro (vv). Tendo Mário Castro declinado o convite, o seu lugar foi preenchido por Luís Filipe que havia trabalho com António Portugal no final da década de 1960, mormente no LP “Flores para Coimbra” (1969). Com a nova formação desenvolveria Alfredo Correia consistente actividade nos palcos de Coimbra, Portugal e estrangeiro. Dos trabalhos em estúdio, levados a cabo no final da primeira metada da década de 1980, resultou a sua presença como tenor-solista em diversas gravações da antologia vinil “Tempos de Coimbra”.
Advogado no foro conimbricense, admirador confesso do legado de António Menano, sozinho e com outros elementos do grupo, Alfredo Correia manteve as portas abertas aos que nesses anos foram demandar a Canção de Coimbra. Alfredo Correia gostava de uma boa conversa, não ocultava as suas predilecções artísticas e nunca se sentiu menorizado como jurista e cidadão por ter abertamente militado em prol da causa da Canção de Coimbra. Essa é seguramente uma dívida que a cidade de Coimbra tem para com a sua memória. O advogado Alfredo Correia, que nos últimos anos aprendera a conviver com a doença, faleceu na cidade de Coimbra em o dia 23 de Junho de 2009.
De acordo com informações que nos foram prestadas pelo autor em 2005, a melodia surgiu-lhe uma noite, na cozinha da sua moradia coimbrã, ainda sem letra. O músico Travassos Cortês, que muito de si deu à TAUC e à Secção de Música da BGUC, era de opinião que certos traços de Sonho lembravam lieder de Gustav Mahler (1860-1911), embora Alfredo Correia negasse qualquer influência directa.
Obra gravado por Alfredo Correia, acompanhado à guitarra por António Brojo e António Portugal e, à viola, por Aurélio Reis e Luis Filipe Roxo Ferreira (Album Tempo(s) de Coimbra, disco 4, editado em 1983); disponível em compact disc:
-CD Tempo(s) de Coimbra, EMI-VC, 0777 7 99607 2 9, disco 2, editado em 1992.
Outros registos:
-Augusto Camacho Vieira, CD Coimbra é uma saudade, Coimbra, Aeminium Records, AE 002, ano de 2002, faixa nº 9, acompanhado por António Jesus/Carlos Jesus (guitarras), Paulo Larguesa/Bernardino Gonçalves (viola) e Humberto Matias (viola baixo).

Transcrição: Octávio Sérgio
Texto: José Anjos de Carvalho e António M. Nunes

Pode ouvir-se, em baixo, Alfredo Glória Correia a cantar o "Sonho", acompanhado pelo grupo de António Brojo.
Sonho de Alfredo Correia sound bite

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial