quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

No Museu de Conímbriga, ouviu-se a Canção e a Música de Coimbra.




Realizou-se a 7 de Fevereiro de 2010, pelas 17.00, no auditório do Museu de Conimbriga, uma Serenata de Coimbra, com a presença do Grupo de Canto e Guitarras de Coimbra “Porta Férrea”. À hora referida, a sala do auditório encheu-se e a sessão foi aberta após palavras de boas vindas, do Director do Museu, o Dr. Miguel Pessoa. Agradecendo a presença dos elementos do Grupo “Porta Férrea”, e do público presente, não deixou de mencionar o apoio da Câmara Municipal de Condeixa, que disponibilizou um autocarro, para a deslocação do Grupo e dos seus acompanhantes.

Após as palavras iniciais, os instrumentistas do Grupo Porta Férrea, apoiados pelo amigo, compositor, e guitarrista de Coimbra, Dr. Álvaro Aroso, iniciaram a sua actuação com a composição “Balada de Coimbra”, com música de José das Neves Elyseu, e arranjos, de mestre Artur Paredes.
Os professores José Henrique Dias, e Carlos Carranca, mantiveram um diálogo interactivo e explicativo, com os presentes sobre os temas tocados e cantados, ao qual acrescentaram as suas próprias interpretações, no canto e na poesia. Estavam todos, num fim de tarde de profunda inspiração e a assistência não regateava palmas.
Após palavras de agradecimento, em nome do Grupo, proferidas por José Henrique Dias, coube a Carlos Carranca, fazer a apresentação dos instrumentistas. Assim e de acordo com a posição no palco, da esquerda para a direita, estiveram, Soares da Costa (v), António Toscano (v), Teotónio Xavier (g), Álvaro Aroso (g) e Durval Moreirinhas (v).
Os cantores, iam sendo apresentados à medida das suas actuações.

Carlos Carranca apresenta o primeiro cantor. João Maio que canta “Menina e Moça (Coimbra menina e moça)” com música de Fausto Frazão e letra da primeira quadra, da autoria de Américo Pinto, sendo a 2ª quadra popular. Seguidamente João Caldas, cantou o “Fado Corrido de Coimbra”, com música de autor desconhecido e letra com quadras populares.

José Henrique Dias, proferiu então algumas palavras sobre as origens da Canção de Coimbra, a sua valorização e afirmação junto dos estudantes da Universidade de Coimbra, sem esquecer a sua característica popular. Abordou em particular, o período da chamada Canção de Intervenção, que atingiu o seu período de máxima actualidade, no tempo da luta contra a ditadura, sendo arautos desse tempo, entre outros, José Afonso e Adriano Correia de Oliveira. Recordando a morte do pintor José Dias Coelho, ás mãos dos esbirros da polícia política, da altura, Carlos Carranca cantou “A morte saiu á rua (A morte saiu à rua num dia assim)” com letra e música de José Afonso. O acompanhamento coube a Durval Moreirinhas, que como muito bem realçou Carlos Carranca, foi o último violista de Coimbra, a acompanhar José Afonso.

O Conselheiro Alcindo Costa, cantou em seguida “Canção das Lágrimas (Lágrimas que a gente chora)”, com música de Armando Goes e letra, atribuída, também, a Armando Goes.
Carlos Carranca, intervem, recordando que Luiz Goes só não está ali, por razões ligadas, à frágil saúde do seu sogro, e refere que este escreveu uma carta ao Dr. Miguel Pessoa expressando esse seu desgosto. O Dr. Miguel Pessoa, é convidado a ler essa carta, ao que acede, bastante sensibilizado, com o momento, que não estava previsto no programa. Carlos Carranca recorda de seguida como Luiz Goes era amigo e admirava a figura do Prof. Vergílo Correia, cuja memória paira sobre Conímbriga, como sendo a grande figura impulsionadora de todo este projecto arqueológico e histórico, de dimensão invulgar.
A actuação segue, com a recordação do compositor e guitarrista, João Bagão, ouvindo-se a composição de sua autoria, “ LA menor”, tendo como solista, Álvaro Aroso, num desempenho irrepreensível, a que o auditório respondeu com muitas palmas.

José Henrique Dias, que com Carlos Carranca formou uma dupla interventiva de antologia, que numa poética criteriosa e simples, explicavam, cantavam, interpretavam, divulgando a Canção e a Música de Coimbra. Quase que não há palavras, para descrever os momentos tão agradáveis, que foram proporcionados a todos os presentes.
O Grupo “Porta Férrea”, com interpretações que deliciavam a assistência, mantinha a qualidade dessa tarde de inspiração, a um nível de desempenho invulgar. As palmas ecoavam no auditório, e o silêncio demorava em afirmar-se, para a continuação do espectáculo.

Segue-se um poema do cabo-verdiano Daniel Filipe, musicado por Manuel Freire, inserido na “A Invenção do Amor e outros poemas (Pelo silêncio na planície)” dito e cantado, de forma quase que sublime, pelo Prof. José Henrique Dias.

Um pouco mais á frente, anuncia-se a presença de uma lenda viva de Coimbra, na pessoa do Dr. Augusto Camacho Vieira, que tem de aguardar para cantar, até que as palmas que se fizeram ouvir, quando se anunciou o seu nome, permitissem a continuação do canto e da música. Cantou com letra sua e arranjo musical de Alexandre Bateiras “ Balada à Figueira (Lá vai a barquinha ao longe)”.
Segue-se Carlos Carranca, e a récita da poesia “A mulata”, de Armando Rodrigues, que retrata com particularidades satíricas, a presença da corte e de D. João VI, no Brasil, e na sua chegada a Paquetá.

Ouviu-se então, um instrumental, a “Canção da Bencanta”, música de José Elyseu. tendo Teotónio Xavier, como solista, esta grande referência, este discípulo de mestre Artur Paredes, numa interpretação feliz, ao melhor estilo do mestre, com uma qualidade interpretativa soberba, magnífica.

José Henrique Dias, aproveita um momento de ligeira pausa, para se dirigir à Presidente da Associação dos Antigos Estudantes de Coimbra, em Lisboa, a Dra. Fátima Lencastre, agradecendo em nome de todo o Grupo, a sua presença e o seu insubstituível apoio, sublinhando a sua dinâmica, empenhamento, entrega e trabalho, na direcção da Associação. Um forte aplauso de todos, mostrou a concordância geral, para esta intervenção tão justa e oportuna.

João Caldas, canta “Samaritana (Dos amor’s do Redentor)”, com letra e música de Álvaro Cabral, e a seguir, Carlos Carranca, canta o seu poema “Fátria (Onde o lugar)”, a partir de uma composição de António Toscano.
Evocando Luiz Goes, Carlos Carranca e José Dias cantam a “Balada da Distância (Partir, partir …)”, com letra e música de Luiz Goes. Depois Carlos Carranca declama o poema de Manuel Alegre, “As mãos (Com as mãos se faz a paz se faz a guerra)”, recebendo palmas e mais palmas. O auditório não escondia o carinho muito especial, pela pessoa de Carlos Carranca. Diga-se de passagem que o espectáculo fora adiado, para que fosse possível contar com este homem, alma nobre e sensível, de dimensão invulgar, que constitui já hoje uma grande referência, no panorama cultural nacional.

A sessão continua com Alcindo Costa, a cantar “Balada para um amor ausente (Meu amor disse que eu tinha)” com letra de Manuel Alegre e música de António Portugal, seguido de José Henrique Dias cantando “Canção com Lágrimas (Eu canto para ti um mês de giestas)” com letra de Manuel Alegre e música de Adriano Correia de Oliveira.
O final aproxima-se, com Carlos Carranca, recitando “Liberdade (- Liberdade, que estais no céu …)” de Miguel Torga.
Depois o Dr. Camacho Vieira canta “Velas do Mondego (Coimbra só te não ama)”, com letra de Luiz Goes e música de António Toscano.
A pedido, Carlos Carranca recita ainda, a “Ode ao futebol (Rectângulo verde, meio de sombra meio de sol)”, de Tossan. Canta em seguida, “Canção para quem sonha (Tu que tens dez reis de esperança e de amor)” um poema de Leonel Neves, musicado por Luiz Goes. O auditório acompanha o canto, com um entusiasmo verdadeiramente indescritível.

E chegados ao fim deste espectáculo memorável, as palavras finais de José Henrique Dias, agradecendo a todos, vão deixando de se ouvir, diluídas no delírio de palmas, que ecoavam vibrantemente. A seguir, ouve-se na sala, um fortíssimo FRA, incorporado do espírito académico mais sentido, que ficando a ecoar no coração dos presentes.

Abraços e mais abraços, num academismo solidário e fraterno, são dignos de uma viagem no tempo, da Conímbriga de ontem, à Coimbra de hoje. Um hino de amor a Coimbra, ao Mondego, às suas gentes, aos estudantes e à sua Universidade. Ao seu Canto e à sua Música.

Bem Hajam

Manuel Marques Inácio
16.02.2010
(Enviado por Rui Lppes)

8 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

O Doutor Vergílio Correia morreu em 1944, era Luiz Goes um menino de 11 anos. A referência de Carlos Carranca à amizade e admiração não poderá reportar-se, eventualmente, a Armando Goes ?

Com um abraço,

Armando Luís de Carvalho Homem.

18 de fevereiro de 2010 às 01:44  
Anonymous Anónimo disse...

Meu Caro Professor Carvalho Homem,

Era mesmo de Vergílio Correia que se tratava.Foram vizinhos. O Goes era o puto Zizi por quem o Vergío Correia tinha uma grande amizade. Foi mesmo o Goes quem vestiu ( ou ajudou a vestir) o velho professor antes de o seu corpo descer à terra. O Goes acompanhava-o a Conímbriga. Contou-me, também,de uma visita que ambos fizeram a casa do Lourenço Chaves de Almeida.

O forte abraço do Carlos Carranca

18 de fevereiro de 2010 às 12:39  
Anonymous Anónimo disse...

OK, Mt.º Obrigado pelo esclarecimento.

Um grande abraço,

Armando Luís de Carvalho Homem.

PS: Já agora, quem é o Lourenço Chaves de Almeida ? É que houve aqui na FL/UP um professor de Filosofia Moderna licenciado pela FL/UC, especialista em Descartes, com 2 doutoramentos (Toulouse e Porto), hoje jubilado e de nome Lourenço Heitor Chaves de Almeida. Deve andar pelos 74 anos. Será a mesma pessoa ?

18 de fevereiro de 2010 às 21:19  
Anonymous Anónimo disse...

Meus amigos


Uma correcção, dado que o lapso deve ter sido meu. A primeira composição, que o Dr. Augusto Camacho Vieira canta, tem o título de "BALADA À FIGUEIRA" e não " BALADA DA FIGUEIRA".

As minhas desculpas e o meu abraço a todos, e já agora, se me permitem, um cumprimento particular ao Prof. Armando Carvalho Homem, que tanto admiro e já não vejo há algum tempo.

Bem hajam

M Marques Inácio

20 de fevereiro de 2010 às 10:58  
Anonymous Anónimo disse...

O Lourenço Chaves de Almeida, que morava no Tovim , era ferreiro de artes e autor do Lampadário da Batalha, o do Soldado Desconhecido.

O abraço do

Carlos Carranca

20 de fevereiro de 2010 às 22:23  
Anonymous Anónimo disse...

Mt.º Obrigado pela informação. Seria por certo pessoa de bastante mais idade que o Doutor Lourenço Heitor Chaves de Almeida, que tem menos 2 anos que o Luiz Goes.

um renovado abraço,

ArmandoLuís de Carvalho Homem.

21 de fevereiro de 2010 às 11:22  
Anonymous Anónimo disse...

Os melhores cumprimentos também para o Eng. Marques Inácio,

Armando Luís de Carvalho Homem.

21 de fevereiro de 2010 às 18:38  
Anonymous Anónimo disse...

Obrigado, meu caro amigo e Professor Armando Carvalho Homem.

Bem Hajam.

MMI

26 de fevereiro de 2010 às 13:03  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial